Moro recebe relatório do MPF sobre notas falsas de Lula

Por Gabriela Mestre

Com supervisão de Lucas Lyra

Investigações da Operação Lava-Jato da Polícia Federal identificaram “incidente de falsidade” nos recibos de aluguel do ex-presidente Lula (PT), referente ao apartamento vizinho ao dele que, de acordo com as buscas, seria provindo de propinas da empresa Odebrecht. A ocorrência foi entregue nessa quinta-feira (5) pelo Ministério Público Federal (MPF) ao juiz Sergio Moro, responsável pelos processos de primeira instância da Operação.

O MPF quer reunir mais provas que comprovem a falsidade atestada nos documentos, identificados como “ideologicamente falsos” pela Lava-Jato. De acordo com a PF, já foi comprovada a compra do apartamento pela Odebrecht. O dono do imóvel, empresário Glaucos da Costamarques, alegou não ter recebido o valor do aluguel entre fevereiro de 2011 até novembro de 2015. Entretanto, os recibos apresentados pela defesa de Lula estão entre esse período.

Dentre os equívocos dos documentos estão datas inexistentes: 31 de junho de 2014 e 31 de novembro de 2015. O MPF já alegou que são “papéis criados para disfarçar a real titularidade do imóvel usado pelo ex-presidente”. A ação acompanha denúncias de corrupção e lavagem de dinheiro contra Lula e a empreiteira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *