Maggi: “efeito da Carne Fraca na balança comercial é desprezível”

Por Lucas Lyra

 

O mandatário do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi (PP-MT), participou nesta terça-feira (31) de audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, para apresentar as medidas adotadas pelo ministério após a “Operação Carne Fraca”.

Segundo ele, o “efeito da Carne Fraca na balança comercial é desprezível”. Blairo disse que após uma brusca queda nas exportações de produtos cárneos nos dias subsequentes a operação, o fluxo de mercadorias voltou a subir poucas semanas após o episódio.

De 93 compradores regulares antes da operação, 90 já abriram novamente seus mercados aos produtos brasileiros. Destes, 33 estão com o comércio regular e 56 com inspeção reforçada ou suspensão parcial. “Na União Europeia agora 100% dos contêineres são abertos e são feitas análises para ver se estão em conformidade. Mesmo com esse rigor, não tivemos problemas maiores”, explicou o ministro.

“Depois dessa confusão da Carne Fraca, não só ministro, mas associações, tivemos que voltar nesses mercados e reafirmar nossos compromissos, reafirmar que o sistema brasileiro é bom, é forte e tem condições de continuar no mercado mundial”, disse Blairo.

O ministro disse ainda que enviou uma carta individual ao representante de cada país que ainda mantem a suspensão aos produtos brasileiros explicando a situação atual dos produtos nacionais e pedindo a reabertura dos mercados.

O ministro falou ainda sobre o déficit de fiscais federais agropecuários que dificulta a fiscalização de algumas plantas frigoríficas. “O Brasil vai continuar crescendo, mas não vai conseguir, com o quadro de pessoas, atender as plantas [frigorífico ou abatedouro] que estão disponíveis nesse momento. Temos que olhar para dentro dos nossos sistemas e dizer que temos que fazer mudanças. Contratamos uma consultoria e queremos verificar o que é papel do Estado e o que poderia a iniciativa privada tocar sem o Estado. Vamos apresentar nova forma de fazer isso”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *