Partidos devem expulsar deputados que libertaram Picciani e companhia

Por Gabriela Mestre

Com supervisão de Lucas Lyra

Os partidos Podemos, PSOL e PR pretendem expulsar deputados estaduais das coligações que votaram a favor da liberação da prisão do trio peemedebista formado pelo presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani, e os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi. O afastamento seria justificado pela desobediência a orientação dos partidos.

Cinco deputados estaduais seriam afetados: Chiquinho Mangueira e Dica, do Podemos; Renato Cozzolino e Nivaldo Mulim, do PR, e Paulo Ramos (PSOL). Eles foram responsáveis por atingir o número mínimo de votos no plenário da Alerj, nessa sexta-feira (7), que libertou da prisão os políticos incriminados pelo Tribunal Regional Federal da segunda região no Rio. Os juízes decidiram pela prisão imediata de maneira unânime, no âmbito da operação Cadeia Velha.

O presidente estadual do Podemos, ex-jogador de futebol e atual senador, Romário Faria, publicou nota nesse sábado (18) afirmando que “O Podemos do Rio não vai compactuar nunca com esse tipo de política antiga”. Para ele, a atitude do partido serve de exemplo para os praticantes de “sacanagens da política velha”. Já o PSOL não apenas definiu seu deputado como “mafioso”, mas também recorrerá pela anulação da sessão de sexta-feira, que foi acompanhada dos protestos de manifestantes ao lado de fora da Assembleia.

Em sua defesa, Paulo Ramos disse que “a prisão é ilegal, mesmo que as práticas atribuídas aos presos sejam as mais desabonadoras”. Sobre o despejo, afirmou: “Que eles me expulsem. Aliás, ficarei muito feliz porque não posso compactuar com hipocrisia”.

Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi foram acusados por receberem propina de empresas de ônibus no Rio de Janeiro. Os deputados tentaram articular a nomeação do presidente da Alerj como conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, o que atrapalharia as investigações. Na quinta-feira (16), o trio se entregou à Polícia Federal logo após a condenação do TRF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *