Lava Jato pede que Gilmar Mendes não atue mais em ações contra Paulo Vieira de Souza e Aloysio Nunes

Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato pediram à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que avalie se deve requerer ao Supremo Tribunal Federal que o ministro Gilmar Mendes não atue mais em casos envolvendo o ex-senador Aloysio Nunes (PSDB) e Paulo Vieira de Souza, apontado como operador do PSDB.

O documento, enviado nesta quarta-feira (6) à Procuradoria Geral da República (PGR), cita ligações telefônicas de Aloysio Nunes com o gabinete de Gilmar Mendes e com o ex-ministro Raul Jungmann.

Paulo Vieira de Souza e Aloysio Nunes foram alvos da 60ª fase da Operação Lava Jato. O empresário foi preso, investigado por atuar como operador financeiro em um esquema de lavagem de milhões de reais em favor da Odebrecht. A casa do ex-senador foi alvo de mandado de busca e apreensão.

O documento mostra um histórico de ligações entre Aloysio Nunes e o gabinete de Gilmar Mendes no STF. — Foto: TV Globo/Reprodução
O documento mostra um histórico de ligações entre Aloysio Nunes e o gabinete de Gilmar Mendes no STF. — Foto: TV Globo/Reprodução

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), “em fevereiro de 2019, Aloysio Nunes Ferreira Filho atuou, em interesse próprio e do também investigado Paulo Vieira de Souza, junto ao ministro Gilmar Mendes, valendo-se de relação pessoal com este, para produção de efeitos protelatórios em processo criminal em trâmite na 5ª Vara da Justiça Federal de São Paulo”.

No histórico de conversas telefônicas e mensagens apresentado pelo MPF, há uma conversa de 11 de fevereiro do advogado José Roberto Figueiredo Santoro com o ex-senador.

  • José Roberto Figueiredo Santoro: “Caríssimo você falou com nosso amigo?”
  • Aloysio Nunes: “Falei. Resposta vaga: sim, já estou sabendo… Compreensível dadas as circunstâncias.”
  • José Roberto Figueiredo Santoro: “Vc é um anjo.”

De acordo com o MPF, o trecho indica que Nunes “havia conversado, ao que tudo indica, com o Ministro Gilmar Mendes”.

No mesmo dia, o documento mostra que Aloysio Nunes fez ligações e recebeu telefonemas do gabinete de Gilmar Mendes.

Paralelamente, o ex-senador também trocou telefonemas e mensagens com Raul Jungmann. O pedido do MPF descreve as mensagens:

  • Aloysio Nunes: “Falei”.
  • Raul Jungmann: “E?!?!”
  • Aloysio Nunes: “Vago, cauteloso, como não poderia ser diferente.”

Segundo o MP, dois dias depois, no dia 13 de fevereiro, o advogado José Roberto Figueiredo Santoro informou o ex-senador por mensagem de celular que “o ministro Gilmar Mendes deferiu o habeas corpus nº167727, em que figurava como interessado Paulo Vieira de Souza, afilhado político de Aloysio Nunes Ferreira Filho”.

Na oportunidade, Gilmar Mendes determinou o reinício da coleta de provas em um processo de Paulo Vieira de Souza.

O documento mostra que, no dia seguinte, Nunes e Jungmann trocaram mensagens:

  • Aloysio Nunes: “Nosso causídico é foda!”
  • Raul Jungmann: “Sr de escravos..”

De acordo com os procuradores, as conversas evidenciam “a interferência de Aloysio Nunes Ferreira Filho, em interesse próprio e do também investigado Paulo Vieira de Souza, junto ao Ministro Gilmar Mendes, valendo-se de relação pessoal com este, para produção de efeitos protelatórios em processo criminal em trâmite na Justiça Federal de São Paulo”.

O MPF destaca no pedido que a “gestão junto a Gilmar Mendes” não foi feita pelo advogado, mas pelo ex-senador Aloysio Nunes.

“De forma muito mais acintosa, o contato foi feito pelo próprio investigado da Operação Lava Jato, Aloysio Nunes Ferreira Filho, com o E. Ministro do Supremo Tribunal Federal”.

O que dizem os citados

O gabinete de Gilmar Mendes informou que o ministro não vai se pronunciar sobre o documento. Informou, também, que se manifestará no processo caso haja algum questionamento ou pedido de suspeição.

Segundo o gabinete do ministro, a decisão que beneficiou Paulo Vieira de Souza foi derrubada pelo próprio ministro da semana passada diante de informações prestadas pela Justiça de São Paulo.

A assessoria de Aloysio Nunes Ferreira declarou que ele não vai se manifestar até se informar sobre os fatos.

O ex-ministro Raul Jungmann declarou que o papel dele no caso se resume a atender ao pedido de Aloysio Nunes e dar a ele o telefone de Gilmar Mendes.

‘Ad Infinitum’

Nas investigações da 60ª fase da Lava Jato, batizada de ‘ad infinitum’, os procuradores da força-tarefa identificaram que a Odebrecht transferiu, em 2007, € 275.776,04 para uma conta de Paulo Vieira de Souza.

A apuração identificou que, no mês seguinte à transferência, foi emitido um cartão de crédito em nome de Aloysio Nunes Ferreira, vinculado à conta de Paulo Vieira de Souza. O banco foi orientado a entregar o cartão de crédito no Hotel Majestic Barcelona, na Espanha, onde o Nunes estava hospedado.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *