Tofolli quer mais suporte ao judiciário por causa de migração

 

Dando prosseguimento às visitas a todos os tribunais e órgãos do poder judiciário nas Capitais, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Dias Toffoli, chegou a Roraima na segunda-feira, 22. Objetivo é conhecer a realidade do Estado, buscar integração entre servidores e averiguar in loco o impacto da demanda de atendimentos aos venezuelanos.

Em breve atendimento à imprensa na manhã de segunda, o Ministro destacou a questão migratória como um dos motivos para a sua vinda a Roraima. Dias Toffoli explica que o convite surgiu ainda na época em que a desembargadora Eliane Bianchi era presidente do Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) e permaneceu após a posse do atual presidente, Mozarildo Cavalcanti.

“Esse trabalho [desenvolvido em Roraima] tem sido importante, no sentido humanitário, tanto para o estado quanto para a nação brasileira. É uma forma de o país fazer esse tipo de atendimento aos refugiados. Só que essa demanda é muito grande e não pode recair só ao estado de Roraima. É um trabalho que tem que ser feito pela nação brasileira”, afirmou Toffoli.

Os números mostram também que a demanda do judiciário aumentou muito com os refugiados, acrescentou o presidente. Uma visita ao município de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, está prevista para ocorrer durante toda a terça-feira, 23. O ministro visitará os órgãos judiciários no interior do Estado e as instalações da Operação Acolhida, do Exército Brasileiro.

A primeira visita de Toffoli a Roraima faz parte de um cronograma que o presidente do STF vem realizando para abrir diálogo no judiciário e ampliar a integração entre os estados e o STF. Até o momento, o presidente já passou pelos estados de Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo. O próximo estado a ser visitado por Dias Toffoli será o Ceará.

Com informações da Folha de Boa Vista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *