INVESTIGAÇÃO PF: Hackers presos invadiram celulares de centenas de autoridades do governo. Confira outras informações na coluna JPM desta quarta-feira (24)

INQUÉRITO SIGILOSO

Pelo que a Polícia Federal apurou até o momento, a investigação que levou à prisão quatro pessoas pela invasão de telefones de autoridades, entre elas o do ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e do procurador da República Deltan Dallagnol, indica que centenas de celulares foram hackeados ou sofreram tentativas de hackeamento, em uma ação “muito além da Lava Jato”.O inquérito sobre a ação de hackers é mantido em sigilo e está sendo conduzido pelo delegado Luiz Flávio Zampronha, que investigou o esquema do mensalão. ”

DEPOIMENTO ADIADO

Já estão em Brasilia para prestar depoimento , os  quatro suspeitos de hackearem os celulares do ministro Sergio Moro e de procuradores da Lava Jato, presos pela Polícia Federal nesta terça-feira (23),. Segundo  fones,  um dos identificados é o DJ Gustavo Henrique Elias Santos, 28 anos, preso em São Paulo. Além dele, tem uma mulher, Suellen Priscila de Oliveira. A pedido da defesa dos dois, a Polícia Federal adiou o depoimento de ambos para quando o advogado do caso, Ariovaldo Moreira, estiver  na capital federal  De acordo com Moreira, a Polícia Federal estaria “impedindo sua atuação na defesa do cliente”.Além do casal, detido em São Paulo, a PF prendeu Walter Delgatti Neto, em Araraquara. Há ainda um quarto preso, de Ribeirão Preto, que não foi identificado.”

AVALIAÇÃO

De acordo com informações do Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro se reúne hoje, com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, A pauta da reunião deve ser a tramitação do pacote anticrime e a operação Spoofing, deflagrada ontem pela Polícia Federal e que prendeu três homens e uma mulher, suspeitos de hackearem o celular de Moro.

 

ECONOMIA INCREMENTADA

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro assinará nesta tarde uma Medida Provisória (MP) que vai permitir saques de contas ativas e inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do PIS/Pasep, de agosto deste ano até março de 2020. O ministro disse que o limite máximo de saques será de R$ 500 por conta.O anúncio será feito em cerimônia no Palácio do Planalto, com a presença do presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

 

NOVA DISCUSSÃO

Lideranças politicas  estão com  dificuldades para preencher cotas de participação feminina em eleições. Surgiu uma nova discussão para  abrandar as regras para as eleições do ano que vem. Uma das ideias é reduzir de 30% para 10% o porcentual mínimo obrigatório de candidatas mulheres a cargos no Legislativo. Outra proposta, já pronta para votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), prevê o fim das punições às legendas que não cumprirem a cota.

OBSERVAÇÃO

Para valer em 2020, quando serão escolhidos novos vereadores em mais de cinco mil cidades do País, as medidas precisam ser aprovadas até o início de outubro – isso porque alterações nas regras eleitorais precisam ser feitas até um ano antes da votação.

DEFESA

“O Daniel disse não a diversas oportunidades de emprego e postergou projetos profissionais, por vários meses, para poder trabalhar na minha campanha”, destacou a parlamentar. “Quando decidi me candidatar, no início, pude contar com menos de 10 pessoas, e o Daniel foi uma delas”.

NA PAUTA

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, recorreu da decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, que determinou a suspensão de todas as investigações baseadas em dados fiscais repassados pelo Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e pela Receita Federal ao Ministério Público (MP) sem autorização judicial.

QUAL ALCANCE?

No recurso, a procuradora  pede esclarecimentos sobre o alcance da decisão, quais processos ficam paralisados até o julgamento do caso pelo plenário do STF, marcado para 21 de novembro.Dodge quer esclarecimentos sobre o alcance da decisão, quais processos ficam paralisados até o julgamento do caso pelo plenário do STF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *