Apesar de receber pena simbólica, Deltan terá agravante em outros processos contra ele no “Conselhão”

 

Por João Pedro Marques

PUNIÇÃO AO DELTAN

Como era esperado, o Conselho Nacional do Ministério Público advertiu o procurador da República Deltan Dallagnol. O ex-coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná acabou advertido por críticas ao voto secreto na eleição à presidência do Senado Federal em 2019. A tramitação do caso havia sido suspensa pelo ministro do STF Celso de Mello, mas o ministro Gilmar Mendes derrubou a medida por conta do risco de prescrição e deu no que deu. Deltan agora vê despencar os seus planos de promoção em 2020.

PRÓXIMO CAPÍTULO

A pena de censura é simbólica, mas pode ser considerada como um agravante no julgamento de outros processos contra Deltan no Conselho Nacional do Ministério Público que podem resultar em penas mais graves. Como ele já decidiu deixar a coordenação da Lava-Jato de Curitiba, entretanto, não há mais possibilidade de o CNMP afastá-lo dessa função.

DOEU-SE

Quem saiu em defesa de Deltan Dallagnol foi o senador Major Olímpio (PSL-SP). Ele foi pontual ao criticar, na verdade, a ação do ministro do STF,  Gilmar Mendes, sobre o processo contra Deltan. “É o absurdo dos absurdos. Vivemos tempos difíceis no País. No Brasil, os ratos estão culpando o queijo”, disse o político em uma publicação na sua conta do Twitter. Vamos aguardar a resposta de Gilmar Mendes, que poderá ser nos parâmetros da lei.

Leia Também:  OPINIÃO DO DIA: Jayme Veríssimo de Campos. Um político a frente do seu tempo

 

FALEM MAL, MAS FALEM

O deputado federal Eduardo Bolsonaro voltou a polemizar nas redes sociais. Em sua conta no Twitter, ele disse que as praias lotadas não significam apenas a vontade das pessoas em ter lazer, são também um recado aos aspirantes a ditadores. “Quem sabe o que é melhor para si são as próprias pessoas, não os governantes hipócritas e autoritários”. Quem não deve ter gostado da declaração é o Dr. Dráuzio Varela, da Globo.

HERANÇA MODESTA

A divulgação da partilha de parte dos bens da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, que morreu em 2017, frustrou alguns analistas de plantão. O valor total é de R$ 1,46 milhão. A lista inclui cinco imóveis modestos e dois carros usados. Outros bens de Marisa e Lula seguem bloqueados devido a processos da operação “lava jato” contra o ex-presidente Lula.

MEA CULPA

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez um mea-culpa no domingo ao dizer ter sido um erro a instituição da reeleição no Brasil. FHC foi, inclusive, o primeiro presidente reeleito no país. “Tinha em mente o que acontecia nos Estados Unidos. Visto de hoje, entretanto, imaginar que os presidentes não farão o impossível para ganhar a reeleição é ingenuidade”, escreveu. “A reeleição passou porque o Congresso temia a vitória de Lula”, disse FHC.

AGILIDADE REMOTA

A Câmara dos deputados vai usar toda a experiência adquirida durante a pandemia para agilizar a votação do projeto de lei que visa a combater a disseminação de fake news pelas redes sociais. Segundo o presidente da casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tudo pode estar concluindo em até quatro semanas. A construção do texto é conduzida pelos deputados federais Felipe Rigoni (PSB-ES) e Orlando Silva (PCdoB-SP).

ELEIÇÕES 2020

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, anunciou uma chamada pública para a iniciativa privada a fim de suprir a necessidade de 7,5 milhões de máscaras para os mesários nas eleições deste ano, além de 2 milhões de protetores faciais e 2 milhões de frascos de álcool em gel. Outra medida foi o Plano de Segurança Sanitária para as Eleições Municipais de 2020, pelo TSE elaborado pela consultoria sanitária formada por especialistas da Fiocruz e dos hospitais Sírio Libanês e Albert Einstein, apresentado hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *