Quase na véspera do segundo turno, aumento no preço dos combustíveis não é bem-vindo

NA HORA ERRADA

Quase na véspera do segundo turno das eleições em 57 cidades brasileiras, sendo 18 capitais, a Petrobrás anunciou aumento de 4% na gasolina e de 5% no diesel. Segundo a estatal, novos valores serão praticados na refinaria a partir desta quinta-feira (26). Para que ninguém culpe o governo pelo reajuste, a estatal deu explicações. O valor pago pelo consumidor final é composto por quatro fatores: preços do produtor ou importador de gasolina A; carga tributária, custo do etanol obrigatório; e margens da distribuição e da revenda. Tá explicado, mas veio na hora errada.

TÔ FORA

 

O presidente Jair Bolsonaro não comentou o reajuste dos combustíveis pela Petrobrás, mas tirou o corpo fora no caso do apagão no Amapá. O presidente ressaltou, porém, que apesar de “não ser competência ou atribuição” dele resolver o problema, dispôs de boa vontade para contribuir com a solução do problema. Enfim, o fornecimento de energia elétrica foi 100% restabelecido ainda ontem, com a energização do segundo transformador na subestação Macapá.

FOCO NA SUCESSÃO

A eleição para a Mesa Diretora da Câmara vem causando certa movimentação nos bastidores políticos aqui de Brasília.  O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), atua para costurar um acordo capaz de permitir que ele faça seu sucessor no comando da Casa, em fevereiro do ano que vem. O parlamentar tem se reunido com partidos de centro e de esquerda, visando enfraquecer a candidatura de Arthur Lira (PP-AL), apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro. Mais aposta em nomes como os de Baleia Rossi (MDB-SP), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Marcos Pereira (Republicanos-SP).

ESVAZIAMENTO

Na contramão das articulações de Maia, a bancada do PP, partido de Arthur Lira, atua internamente para tentar esvaziar a agenda do atual presidente da Casa. Parlamentares contrários ao democrata pretendem agir para que nenhuma pauta importante seja votada até o fim deste ano. Com isso, Maia não conseguiria faturar com aprovações de reformas importantes, como a tributária.

NA ONDA

Com a possibilidade de segunda onda da Covid-19 no Brasil, tem muita gente querendo holofotes. Até o líder da minoria na Câmara, o deputado José Guimarães (PT-CE) protocolou um pedido de informações ao ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para que o militar explique as medidas adotadas para o enfrentamento da segunda onda do novo coronavírus no país. O parlamentar lembrou que mais de 170 mil brasileiros já morreram por conta da pandemia, e que há sinais de aumento de infectados em várias regiões do país, indicando a chegada de uma nova onda de casos.

DECISÃO AMPLA

O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) manifestação defendendo que as decisões tomadas em ações civis públicas possam valer nacionalmente. Hoje, as sentenças se restringem ao território do órgão julgador. A discussão foi levantada em um recurso extraordinário com repercussão geral – isto é, o entendimento fixado pelos ministros no julgamento, que está previsto para 16 de dezembro, valerá como jurisprudência para novos casos. O relator é o ministro Alexandre de Moraes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *