Mourão: não há clima para impeachment de Bolsonaro

Por 

Em meio a turbulência politica registrada  em todo país , o vice-presidente Hamilton Mourão minimizou na manhã desta quarta-feira a possibilidade de um impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Um dia após os discursos de Bolsonaro durante manifestações do 7 de Setembro, Mourão evitou comentar sobre as ameaças feitas pelo mandatário e indicou que acredita ser possível existir uma conciliação entre os Poderes para colocar fim à crise.Apesar de não falar sobre as falas do presidente, Mourão disse que concorda que o Supremo Tribunal Federal cometeu excessos ao instaurar um inquérito conduzido diretamente pelo ministro Alexandre de Moraes.— Juiz não pode conduzir inquérito. Eu acho que tudo se resolveria se o inquérito passasse para a mão da Procuradoria-Geral da República. E acabou. Isso aí distensionaria todos os problemas —  afirmou o presidente.

CANETADA BOLSONARISTA

Demonstrando irritação, o presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje que o Brasil é um “emaranhado de problemas”. A declaração foi feita a um apoiador na saída do Palácio da Alvorada ao responder sobre uma questão relacionada à mineração no Maranhão. O mandatário o aconselhou a procurar o Ministério de Minas e Energia.”Te recomendo buscar o ministro da Energia (Bento Albuquerque) e conversar com alguém de lá. É o emaranhado da legislação que vocês deixaram acontecer e querem que eu resolva numa canetada. É impossível resolver numa canetada. Só isso e mais nada. Então, pessoal, tem coisa que não é ‘vai dar canetada sem MP’. Não é assim. Tem contratos, tem bilhões em jogo, tem ouro para tudo quanto é lugar lá; e, vocês, no passado, aconteceu né, deixaram chegar no ponto que chegou”, apontou.

ASPAS DE LIRA

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Tentando a pacificação política na capital do pais, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a Constituição brasileira “jamais será rasgada” e que ele conversará com todos os Poderes. “É hora de dar um basta a essa escalada, em um infinito looping negativo. Bravatas em redes sociais, vídeos e um eterno palanque deixaram de ser um elemento virtual e passaram a impactar o dia-a-dia do Brasil de verdade. O Brasil que vê a gasolina chegar a 7 reais, o dólar valorizado em excesso e a redução de expectativas. Uma crise que, infelizmente, é superdimensionada nas redes sociais, que, apesar de amplificar a democarcia, estimula excitações e excessos”, disse. A declaração foi dada em um pronunciamento à imprensa. “Esperei até agora para me pronunciar porque não queria ser contaminado pelo calor de um ambiente já por demais aquecido”, justificou.

RESPOSTA DE FUX

O clima esquentou ainda mais em Brasilia nesta quarta-feira (08) após as declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux,  no sentido de  que qualquer chefe  de Poder que descumprir decisões judiciais estará cometendo um crime de responsabilidade.Em manifestações convocadas pelo governo para o feriado da Independência, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)  chegou a afirmar que não cumprirá mais determinações que partam do ministro Alexandre de Moraes, relator de processos envolvendo o presidente no STF.“O Supremo Tribunal Federal também não tolerará ameaças à autoridade de suas decisões. Se o desprezo às decisões judiciais ocorre por iniciativa do Chefe de qualquer dos Poderes, essa atitude, além de representar atentado à democracia, configura crime de responsabilidade, a ser analisado pelo Congresso Nacional“, disse Fux em resposta.

MAIS PROBLEMAS

Outra polemica está relacionada ao fato de alguns  senadores governistas  estarem reforçando a articulação pela desistência do Palácio do Planalto da indicação de André Mendonça ao STF (Supremo Tribunal Federal).Além da suspensão da sabatina na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal, parlamentares da base aliada começaram a buscar o apoio do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) pela indicação para o posto do procurador-geral da República, Augusto Aras.A intenção do grupo é se reunir na próxima semana com o filho do presidente, que, na avaliação de senadores governistas, tem grande ascendência sobre as indicações do pai para tribunais federais e cortes superiores.

ARAS PONDERADO

Por sua vez, de forma comedida,  o procurador-geral da República, Augusto Aras, se limitou a falar sobre a importância da democracia,   após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atacar o Supremo Tribunal Federal (STF). Em sessão do órgão, após discurso de Luiz Fux, ele afirmou que “a independência entre os Poderes pressupõe a harmonia”.“Não podemos desprezar os recursos da institucionalidade, o devido processo legal, pois é por meio dessas vias formais que o nosso Estado Democrático de Direito assegura-se que as minorias tenham voz e que os direitos da maioria sejam preservados”, disse.

CAMINHONEIROS NA ATIVA

As manifestações após o dia 7 de setembro seguem sendo registradas pelo país nesta quarta-feira (08). Até o final desta manhã, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) havia levantado que o país tinha mais de 170 manifestações e 53 pontos de bloqueios de caminhoneiros em todo o país, totalizando mais de 100 cidades.Pela manhã, já havia o registro de bloqueios em rodovias de apenas três estados, mas o número saltou durante o dia e agora o pontos ativos passaram a ser registrados na Bahia, Maranhão, Santa Catarina, Paraná, Espírito Santo e Mato Grosso, segundo levantamento realizado pela PRF, incluindo cinturões produtivos do agronegócio.

DEU NA MÍDIA

Nos sete primeiros meses deste ano, a agropecuária registrou uma participação de 11,09% na geração de empregos no mercado de trabalho formal em Mato Grosso do Sul. Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) que apontou um saldo de 3.484 novas ocupações no período.“A geração de emprego na agropecuária sul-mato-grossense nos primeiros sete meses de 2021 foi superior em duas vezes e meia o número de vagas de igual período de 2020, quando foram oportunizados 1.417 empregos”, explica a analista técnica do Sistema Famasul, Eliamar Oliveira.Entre as principais atividades do setor, os serviços de apoio à agricultura foi a que mais empregou, participando de 29,85% das vagas, seguido pelo cultivo de cana-de-açúcar com 14,12%, apoio à produção florestal com 10,22% e criação de bovinos, ocupando 9,33%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *