General Hamilton Mourão volta de Angola de mãos abanando

O general Hamilton Mourão, vice-presidente da República, viajou a Angola para representar o Brasil na XIII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Luanda.

Sua principal missão, na verdade, era outra: o presidente Jair Bolsonaro incumbiu Mourão de convencer o general João Lourenço, presidente de Angola, a dar um jeito para que a Igreja Universal do bispo Edir Macedo possa voltar a atuar no país.

Mourão e Lourenço conversaram a respeito na última sexta-feira. Lourenço disse que não tem o que fazer porque a questão foi decidida pela justiça angolana e que assim como no Brasil, os poderes da República por lá são também independentes.

O ramo angolano da Igreja Universal denunciou o ramo brasileiro de transferir para cá ilegalmente grandes somas de dinheiro. A justiça deu-lhe razão e os pastores brasileiros foram obrigados a deixar Angola, arriscando-se a ser preso se voltarem.

Desde então, Macedo cobra providências a Bolsonaro e vez em quando o fustiga com reportagens veiculadas na Rede Record de Televisão. Bolsonaro não pode dar-se ao luxo de perder o apoio do bispo, muito menos de ser criticado por uma emissora amiga.

Lourenço tem mais com o que se preocupar. Angola atravessa graves dificuldades econômicas e ele quer se reeleger presidente. Por aqui, os bolsonaristas nas redes sociais começaram a atacar Macedo.

Da redação com o Blog do Noblat em Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *